A ARCV junta-se a outras instituições na luta contra o doping. Somos a favor do desporto limpo, da verdade desportiva, do fair play, e acima de tudo preocupamos-nos com a proteção da saúde dos atletas.

Aqui podes obter mais informações sobre substâncias proibidas, e sobre os seus riscos para a a tua saúde.

Say-No-to-Doping-Test-Image.jpg

WADA - World Antidoping agency

 

Nandrolona

           A nandrolona é um derivado da testosterona - hormona produzida pelos testículos e responsável pelas características sexuais secundárias do homem, como a voz mais grave, o desenho facial, as tendências mais agressivas, a erecção do órgão sexual, entre outras. É um esteróide altamente anabolizante, que favorece a transformação de matérias nutritivas em tecidos vivos. Basta a aplicação de uma ampola para que o atleta ultrapasse o limite estabelecido pelo Comité Olímpico Internacional (COI): dois nanogramas por mililitro de urina, nos homens, e cinco nanogramas nas mulheres. Apenas no ciclismo a taxa é comum para ambos os sexos: cinco nanogramas.

           A nandrolona aumenta a massa muscular, até 16% em alguns indivíduos, o peso, entre os cinco e os nove quilos, e a resistência física. Os esteróides como a nandrolona têm a capacidade de produzir um aumento da síntese de fosfato de creatina, um composto essencial para a formação da substância trifosfato de adenosina (ATP), que, por sua vez, é fundamental para disponibilizar a energia para os diversos sistemas fisiológicos das células. No caso dos atletas, melhora a contracção muscular: quanto maior a energia acumulada, melhor o desempenho nos exercícios físicos e mais fácil é a recuperação física.

           Este tipo de substâncias pode provocar ainda uma intensificação do fluxo sanguíneo, até 20%, de modo a melhorar o fornecimento de nutrientes à massa muscular. Para que a eficácia aumente, o atleta consome o esteróide em ciclos de seis semanas - 50 miligramas em cada dois dias -, no caso da nandrolona administrada por via intramuscular, a primeira a surgir no mercado e a menos utilizada actualmente.

            O grande salto no consumo deste produto por atletas deu-se nos últimos anos, com o desenvolvimento de substâncias equivalentes à nandrolona, que apenas são detectáveis até 48 horas depois de consumidas. Desta forma, é fácil a um futebolista consumir nandrolona numa segunda-feira e escapar ao controlo do fim-de-semana seguinte. No entanto, a nandrolona pode acumular-se no tecido adiposo e voltar ao fluxo sanguíneo muito tempo depois, durante um esforço físico em que o corpo necessite de ir buscar energia a essa massa de gordura.

Efeitos secundários potencialmente nefastos

           Um dos mais comuns é a retenção de água, que pode causar hipertensão. Para combater este efeito, os atletas consomem diuréticos (também proibidos), substâncias que obrigam à expulsão de água por parte do corpo e disfarçam o consumo de dopantes. Nos homens, o atrofio dos testículos é um dos efeitos mais graves: com o consumo dos esteróides, o corpo deixa de sentir necessidade de produzir testosterona, os testículos perdem uma das suas principais funções. A produção de espermatozóides decresce bastante e pode-se chegar à esterilidade total. Mas aqui há a possibilidade da realização de um tratamento hormonal...

            O consumo de esteróides provoca ainda graves problemas no funcionamento do fígado, a perda considerável de peso é quase certa, o aumento do volume da próstata, acne que deixa marcas irreversíveis na pele e calvície prematura. Nas mulheres, regista-se ainda uma virilização, ou seja, um aumento de características masculinas.

CUIDADO!

           O desenvolvimento da nandrolona oral provocou um novo "boom" no consumo, só descoberto com o desenvolvimento das técnicas "anti-doping". Para além disso, uma lei aprovada pelos Estados Unidos em 1994 abriu caminho à comercialização descontrolada de esteróides anabolizantes como suplementos dietéticos e de uma poderosíssima indústria ligada a este negócio. Quem produz suplementos nutricionais vende ainda anabolizantes - como o 19-norandrostenediol e a 19-norandrostenediona, cujos efeitos são iguais aos da nandrolona -, daí que a contaminação seja fácil. Tanto mais que, segundo estudos dos laboratórios "anti-doping" de Colónia (Alemanha), Los Angeles (EUA) e Gent (Bélgica), vendem-se no mercado suplementos com dopantes, mas que nada referem nos rótulos.

 

Estimulantes

           Os estimulantes são substâncias que têm um efeito directo sobre o Sistema Nervoso Central, porque aumentam a estimulação do sistema cardíaco e metabólico. Os estimulantes mais disseminados no desporto são: anfetaminas, cocaína, efedrina e cafeína.

Porque são usados pelos atletas?

         Os estimulantes são usados para conseguir os mesmos efeitos da adrenalina, substância que é segregada naturalmente pelo organismo. Podem produzir excitação, melhorar os reflexos e a capacidade de concentração. Podem ainda aumentar a capacidade de tolerância ao esforço físico e diminuir o limiar da dor.

Efeitos secundários potencialmente nefastos.

         Os estimulantes são responsáveis pela morte de alguns atletas. Se um atleta tem de competir em condições desfavoráveis, por exemplo durante longos períodos de tempo, com temperaturas e taxas de humidade elevadas, a temperatura corporal sobe facilmente. Devido aos estimulantes torna-se difícil ao organismo desencadear o processo de refrigeração. Assim o coração e outros orgãos, como o fígado e rins, entram em sofrimento podendo este facto causar a morte.

 

Outros efeitos secundários:

  • Falta de apetite

  • Insónias

  • Diminuir a sensação de fadiga, o que leva à exaustão

  • Euforia

  • Alucinações / tremor

  • Agitação

  • Hipertensão arterial

  • Palpitações e arritmias cardíacas

  • Diminuição da coordenação motora, sentido crítico e coordenação motora

  • Aumento da temperatura corporal

  • Dependência física e psíquica (habituação)

 

O que deves saber ainda.

           Alguns medicamentos para as constipações ou gripes contêm estimulantes, como por exemplo "pingos para o nariz". Um grupo de estimulantes é o das aminas simpaticomiméticas, do qual faz parte a efedrina.

Em doses baixas, estas substâncias fazem também parte de medicamentos anti--alérgicos. Assim reforça-se o conceito que nenhum fármaco deve ser tomado sem ser prescrito por um médico especialista.

 

NOTA: Alguns produtos naturais, como a planta Ma Huang ou preparados de Gin- seng, podem conter substâncias dopantes.

 

analgésicos narcóticos

         Os analgésicos narcóticos proibidos no Desporto estão representados pela morfina e compostos químicos e farmacológicos análogos. São derivados do ópio que por sua vez se extrai da papoila (papaver somniferum). Actuam ao nível do sistema nervoso central, diminuindo a sensação de dor.

Porque são utilizados pelos atletas?

         Podem ser tomados para mascarar a sensação de dor. Para além disso, usam-se como anti-tússicos.

 

Efeitos secundários potencialmente nefastos.

         O uso de analgésicos narcóticos pode ser um problema de saúde pública. A ausência ou a diminuição da sensação dolorosa pode levar a que um atleta menospreze uma lesão potencialmente perigosa, levando ao seu agravamento.

 

Outros efeitos secundários.

  • Dependência física e psíquica (habituação)

  • Perda de equilíbrio e coordenação

  • Náuseas e vómitos

  • Insónia e depressão

  • Baixa da frequência cardíaca

  • Baixa do ritmo respiratório

  • Baixa da capacidade de concentração

  • Obstipação (prisão de ventre)

 

diuréticos

          Os diuréticos são drogas que aumentam a formação e excreção de urina. Normalmente actuam ao nível dos tubulos renais para conseguirem o efeito desejado. Em Medicina são usados como drogas para controlar a hipertensão arterial, diminuir edemas (inchaços) ou para combater a insuficiência cardíaca congestiva (doença originada pela falência do coração).

Porque são utilizados pelos atletas?

Normalmente estas substâncias são utilizadas por duas razões:

. - Para reduzir rapidamente o peso corporal em desportos em que há categorias de pesos. O boxe, judo, halterofilismo e remo são exemplos destes desportos. No culturismo, os diuréticos são usados como forma de "secar" os músculos, que assim terão melhor aspecto. 
2ª. - Como tentativa de aumentar a excreção urinária e assim eliminar mais rapidamente eventuais substâncias dopantes.

Efeitos secundários potencialmente nefastos.

  • Desidratação (diminuição da água corporal)

  • Cãibra muscular

  • Diminuição do volume sanguíneo

  • Doenças renais

  • Hipotensão ostostásica (tonturas ao passar à posição de pé)

  • Alterações do ritmo cardíaco

  • Perda acentuada de sais minerais

 

O que deves saber ainda.

             O uso de diuréticos está proibido no desporto. O seu uso não controlado pode ser extremamente perigoso. Têm-se registado mortes em atletas que tomando diuréticos tiveram problemas a nível cardíaco e renal. Para além disso, um atleta desidratado vê as suas capacidades diminuídas e arrisca-se a ter uma lesão.

 

agentes anabolizantes

A. Esteróides anabolisantes

 

O que são?

 

Os esteróides anabolisantes são derivados de uma hormona masculina, a testosterona. O termo anabolisante significa que provoca a hipertrofia (aumento) tecidular, nomeadamente muscular. Podem ser tomadas oralmente ou em injecção. Após a sua administração há um incremento da síntese de proteínas, nomeadamente ao nível dos genitais, dos ossos, da pele e do tecido muscular. Em Medicina esta substância é muitas vezes usada para o tratamento de anemias, da osteoporose (diminuição da densidade dos ossos), de doenças do foro ginecológico ou dos distúrbios do crescimento.

 

Porque são utilizados pelos atletas?

 

Muitas vezes os esteróides anabolisantes são tomados (em grandes doses) por lançadores, halterofilistas e eventualmente por atletas de todo o tipo de desportos que envolvem força explosiva.

São utilizados igualmente por pessoas que querem melhorar a sua aparência através da obtenção de um corpo mais musculado. Parecem ser responsáveis pelo aumento da massa muscular e da força, quando o indivíduo em questão faz um treino e uma nutrição adequados.

 

Efeitos secundários potencialmente nefastos

 

Os efeitos secundários podem ser eventualmente graves, podendo dividi-los em gerais e em específicos do sexo masculino e do sexo feminino:

Efeitos secundários gerais

  • Pele oleosa / acne (borbulhas na pele)

  • Lesões ao nível do sistema reprodutor, levando à infertilidade

  • Hipertensão arterial

  • Doenças hepáticas (fígado)

  • Aumento da agressividade

  • Aparecimento de tumores malignos (cancros)

 

Efeitos secundários, específicos do sexo masculino:

  • Desenvolvimento das glândulas mamárias

  • Infertilidade

  • Atrofia testicular

  • Diminuição da produção de hormona masculina (testosterona)

  • Diminuição da produção de esperma

  • Impotência sexual

  • Queda de cabelo

  • Cancro da próstata

 

Efeitos secundários específicos do sexo feminino:

  • Queda de cabelo e crescimento de pêlos em áreas próprias do sexo masculino (barba)

  • Alterações do ciclo menstrual

  • Diminuição do tamanho das glândulas mamárias

  • Alteração da voz

  • Morfologia corporal masculina (ombros largos e tronco muito desenvolvido).

 

agentes anabolizantes b

B. Outros agentes anabolisantes não esteróides

 

O que são?

 

Os outros agentes anabolisantes são compostos químicos que não estão relacionados com os esteróides anabolisantes e poderão ter um efeito anabólico semelhante. Esta nova classe de substâncias proibidas foi introduzida devido ao uso do B2 - Agonista Clembuterol. Os Agonistas B2 pertencem na realidade à classe dos estimulantes e podem ser usados para tratar a asma, enfisema e bronquite crónica.

 

Porque são utilizados pelos atletas?

 

Descobriu-se que o uso de clembuterol nos vitelos reduzia a massa gorda e aumentava a massa muscular. Acredita-se que foi devido a este facto que começaram a ser administrados em atletas.

Efeitos secundários potencialmente nefastos

  • Tremor

  • Agitação

  • Ansiedade

  • Alterações do ritmo cardíaco (arritmias)

  • Cãibra muscular

 

O que deves saber ainda.

 

O clembuterol é proibido, assim como outras substâncias do mesmo grupo farmacológico dos B2 Agonistas. No entanto há excepções como seja o salbutamol e a terbutalina, usada em aerossóis.

 

Glicoproteínas, Hormonas Peptídicas e Substâncias Aparentadas

           Este tipo de substâncias actuam no organismo como mensageiros que levam à produção de outras hormonas endógenas, como a testosterona e os corticosteróides. Aceleram o crescimento corporal e diminuem a sensação de dor. Como similares existem substâncias sintéticas que têm efeitos análogos às hormonas peptídicas. HCG, HGH, ACTH e EPO, pertencem a esta classe.

 

Porque são usadas pelos atletas?


- Gonadotrofina Corionica Humana (HCG).

 

          Esta hormona aumenta a produção de esteróides endógenos e tem um efeito semelhante à testosterona. O uso de HCG parece aumentar o volume e a potência muscular em atletas que fazem treino de força e que por outro lado se encontrem bem nutridos.

- Hormona de Crescimento (HGH).

          Esta hormona aumenta linearmente até ao final da puberdade (quando se verifica uma estabilização do crescimento ósseo que trava o crescimento). O uso de HGH serve para aumentar as massas musculares. Os atletas ao usá-la correm riscos enormes.

 

- Hormona Adrenocorticotrófica (ACTH)

          Esta hormona aumenta o nível endógeno de corticosteróides. Usa-se com a finalidade de recuperação tecidular. Se usada por períodos prolongados provoca enfraquecimento muscular acentuado.

- Eritropoietina (EPO)

          Esta hormona aumenta o número de glóbulos vermelhos (eritrócitos) no sangue e desse modo aumenta a sua capacidade de transporte do oxigénio. É usada em desportos de endurance. Como o aumento de glóbulos vermelhos aumenta também a viscosidade sanguínea, os atletas arriscam-se a sofrer embolias (doenças que são motivadas pela oclusão dos vasos sanguíneos por coágulos).

Efeitos secundários potencialmente nefastos:

HCG

  • Ginecomastia (aumento das glândulas mamárias nos homens)

  • Alterações menstruais em mulheres

HGH

  • Crescimento desmedido das mãos, pés e cara (acromegália)

  • Diabetes

  • Crescimento de alguns orgãos internos, como o fígado

  • Doenças articulares

 

ACTH

  • Insónia

  • Hipertensão arterial

  • Diabetes

  • Úlcera gástrica

  • Perda de massa óssea

  • Dificuldade de cicatrização das feridas

 

EPO

  • Aumento da viscosidade do sangue

  • Hipertensão

  • Enfarte do miocárdio

  • Enfarte cerebral

  • Embolia pulmonar

  • Convulsões

 

O que deves saber ainda:

            No desporto, o uso de hormonas peptídicas, glicoproteínas e substâncias aparentadas, está proibido.

Em alguns países, a posse deste tipo de substância pode levar à prisão.

 

dopagem sanguinea

            A dopagem sanguínea consiste na administração de sangue ou derivados a um atleta sem ser por motivos médicos. A administração pode ser autóloga (a extracção do sangue do próprio atleta, sua conservação e posterior reintrodução, dias antes de uma competição), ou homóloga (proveniente de dadores).

Porque é que os atletas a utilizam?

Está comprovado que a dopagem sanguínea pode aumentar a capacidade aeróbica dos atletas.

Poderão ter interesse em desportos de endurance, como o atletismo de fundo, ciclismo e natação.

 

Efeitos secundários potencialmente nefastos:

 

  • Embolia pulmonar ou cerebral

  • Choque anafilático e outras reacções transfusionais, que poderão ser mortais

  • Hepatite e SIDA (quando é utilizado sangue proveniente de dadores infectados)

  • Reacções alérgicas

 

O que deves saber ainda.

A dopagem sanguínea e a administração de eritropoietina está proibida no desporto.

 

Manipulação Farmacológica, Química e Física

         A manipulação farmacológica, química e física consiste no uso de substâncias ou métodos que interfiram com a integridade ou validade das amostras da urina obtidas em controlos antidopagem. A algaliação, a substituição da urina ou a sua adulteração são exemplos de manipulação. A utilização do probenecid ou de compostos semelhantes, assim como o uso de epitestosterona, podem ser igualmente enquadrados no âmbito da manipulação.

Porque é utilizada pelos atletas?

Este tipo de procedimento tem em vista a não identificação nas urinas de substâncias dopantes.

Assim, um atleta dopado pode tentar usar estes métodos para que a sua análise não dê positiva.

Efeitos secundários potencialmente nefastos.

Alguns dos procedimentos descritos podem ter efeitos secundários, altamente lesivos:

Probenecid

  • Dor de cabeça

  • Problemas intestinais

  • Tonturas e sensação de calor

  • Cálculos (pedras) renais

 

Algaliação

  • Infecção urinária

  • Inflamação do aparelho urinário, levando a lesões graves

O que deves saber ainda.

 

Estes métodos descritos são proibidos no desporto.

 

Beta-bloqueantes

           Os beta-bloqueantes são um grupo farmacológico usado para tratar essencialmente a hipertensão arterial, angina de peito, enxaqueca e certas alterações do ritmo cardíaco.

Porque é que os atletas os utilizam?

Podem ser usados para diminuir a ansiedade competitiva, para controlar ou baixar o ritmo cardíaco e para diminuir o tremor. Os desportos que beneficiam com estas substâncias são o tiro, o tiro com arco, o mergulho e os desportos motorizados, entre outros.

Efeitos secundários potencialmente nefastos.

Têm efeito adverso em atletas que desenvolvem esforços prolongados, já que diminuem a capacidade de endurance.

 

Deve-se ainda referir que provocam:

  • Hipotensão arterial

  • Bradicardia (ritmo cardíaco baixo)

  • Falência cardíaca

  • Insónia

  • Impotência sexual

  • Alterações da circulação sanguínea

 

O que deves saber ainda.

O seu uso está restringido no desporto. Devido ao seu uso indiscriminado em determinados desportos e pelo facto de existirem alternativas terapêuticas, as instâncias competentes podem exigir a sua pesquisa nos controlos antidopagem.

 

Corticosteróides

          Os corticosteróides são compostos sintéticos ou naturais relacionados com as hormonas produzidas no cortex das glândulas suprarenais. São usados com fins terapêuticos para suprimir a inflamação, asma e dor. Devido aos seus efeitos secundários, só devem ser administrados com vigilância médica.

Devido ao seu uso indiscriminado, foi restringido pelas instâncias competentes.

Porque é que os atletas os utilizam?

Normalmente são usados como anti-inflamatórios ou analgésicos, mas também por darem um certo efeito de euforia.

Efeitos secundários potencialmente nefastos

  • Insónia

  • Hipertensão arterial

  • Atraso na cicatrização das feridas

  • Diabetes

  • Azia

  • Osteoporose (diminuição da massa óssea)

 

O que deves saber ainda

            Está proibido o seu uso nos atletas excepto a sua aplicação tópica (ocular, em otorinolaringologia e dermatologia) a sua aplicação e aerossóis (na asma e rinite alérgica) e em injecções locais ou intra-articulares. O seu uso deve ser notificado às instâncias competentes, referindo o porquê da sua utilização.

 

Marijuana

           A marijuana e o hashishe são derivados de uma planta indiana, Canabis Sativa. Já foram identificados mais de 400 compostos desta planta, dos quais 61 pertencem ao grupo de canabinóides. O termo Marijuana é usado para preparados derivados das folhas secas, sementes e por vezes flores da planta. O Hashishe extrai-se da resina ou de parte da planta em floração.

Porque é usada pelos atletas?

A marijuana ou o hashishe podem ser tomadas como forma de relaxar antes de uma competição.

 

Efeitos secundários potencialmente nefastos.

Não existem dúvidas que o seu uso prolongado é prejudicial à saúde do atleta a vários níveis, incluindo ao nível cardíaco, pulmonar e do sistema nervoso central. Por outro lado, a marijuana pode ter efeitos graves ao nível de aparelho sexual.

 

Coração

 

  • Aumenta a frequência cardíaca

  • Provoca hipertensão arterial

 

Pulmões

 

  • Inflamação do tecido pulmonar

  • Tumores malignos (cancro) motivados pelo fumo simultâneo de tabaco

 

Sistema nervoso central

 

  • Perda de memória

  • Perda de equilíbrio e da capacidade de concentração

  • Alucinações

  • Alteração da temperatura corporal

 

Aparelho sexual

 

  • Alterações da ovulação

  • Diminuição do número de espermatozóides e sua motilidade

 

O que deves saber ainda

            A marijuana é proibida no desporto. Podem ser feitos controlos a atletas pesquisando este tipo de substâncias a pedido das Federações. Em alguns países, a posse e uso destes produtos podem ser punidas pela legislação, levando a penas de prisão.

 

Alcool

           Os alcooles são um grupo farmacológico, dos quais o mais comum é o etanol ou álcool etílico, obtido através da fermentação do açúcar. Só é tóxico a partir de certa dosagem, sendo usado desde a antiguidade como bebida. O álcool deprime o sistema nervoso central. Após a sua ingestão, é rapidamente disseminado por todo o organismo, incluindo o cérebro.

Porque é utilizado pelos atletas?

Se ingerido em pequenas doses, reduz o tremor, melhora a sensação de auto-confiança e é relaxante. É usado em desportos em que é necessário estar calmo, como o bilhar, tiro com arco, tiro, entre outros.

Efeitos secundários potencialmente nefastos.

A ingestão de bebidas alcoólicas pode ter certos efeitos secundários, que dependem da quantidade ingerida:

  • Habituação, com dependência física e psíquica

  • Diminuição dos reflexos motores e da coordenação neuro-muscular

  • Aumento de agressividade, o que pode ser lesivo para os adversários ou para os colegas do atleta

  • Doenças mortais do fígado (cirrose) e coração (insuficiência cardíaca).

 

O que deves saber ainda.

O uso de bebidas alcoólicas pode ser proibido em certos desportos. Se pedido por uma Federação, o atleta pode ser submetido ao "teste do balão".

Contactos

A Associação

Redes Sociais

Mais Informações

Associação Regional de Ciclismo de Viseu

Rua de S. Francisco Nº 3, S. Martinho de Orgens, 3500 Viseu

Portugal

​​WhatsApp: +351 937 830 918​

​E-mail: direcao.aciclismoviseu@gmail.com